• geral@appbg.pt

Parecer acerca da Prova de Exame Nacional do Ensino Secundário, Prova Escrita de Biologia e Geologia 702 – 2.ª Fase 2022

Depois de uma análise exaustiva à prova e de acolhidos os contributos dos nossos associados através de questionário, consideramos que a mesma se apresenta globalmente equilibrada, alinhada com as Aprendizagens Essenciais (AE´s) e com o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória.

Relativamente à sua estrutura, verificou-se uma equivalência desejada e necessária entre as duas fases do presente ano letivo, nomeadamente quanto ao grau de dificuldade global das provas. No que respeita aos itens de construção, embora o seu número seja igual (6), pensamos que o grau de dificuldade nesta prova é consideravelmente superior aos da primeira fase, como explicitaremos adiante. Verifica-se equilíbrio entre as componentes da Biologia e da Geologia, contudo, consideramos que foram abordados os aspetos mais comuns do programa na área da Geologia, mas verificou-se a ausência de alguns conteúdos de referência ao nível da Biologia do 11.º ano. A opção pelos itens que agregam simultaneamente as componentes de Biologia e Geologia é algo que saudamos, apoiando a sua continuidade. Constata-se a tendência de aumento dos itens de carácter procedimental, com a particularidade de serem perfeitamente exequíveis em sala de aula. Salientamos, novamente, o alinhamento da estrutura da prova com as informações que tinham sido previamente disponibilizadas pelo IAVE.

Os documentos de apoio contêm informação relevante e de fácil compreensão, sendo bem mais curtos que os da primeira fase. No entanto, é desejável a utilização de documentos científicos mais recentes, como no caso do texto de apoio ao Grupo III, de 1980, cujo conteúdo científico é no mínimo discutível.

Os itens de natureza transversal têm relevância na prova, uma vez que a resolução de vários dos seus itens requer a interpretação constante dos documentos de apoio (textos, gráficos e imagens), bem como a mobilização de dados e informações contidos nesses documentos. Tal como já tínhamos referido na primeira fase, esta opção acaba por ter reflexos diretos no tempo de realização da prova, motivo pelo qual muitos alunos utilizaram todo o tempo disponível.

Consideramos globalmente apropriado o rigor científico da prova e ajustado à faixa etária dos alunos que a resolveram.

No entanto, gostaríamos de destacar alguns pontos, tais como:

  • Grupo I

a) item 8 - pensamos que seria de admitir nos elementos da resposta ao item, a referência à elevada extensão da falha, que pode ser inferida a partir da Figura 1, como justificação da elevada magnitude dos sismos, à semelhança do que já foi observado em provas de exame anteriores.

b) item 10 - verificamos que em alguns dos itens de construção, cada elemento dos critérios de avaliação contêm várias referências para que o mesmo seja concretizado, algo que acaba por aumentar consideravelmente o grau de dificuldade do item. Exemplo emblemático desta situação é o elemento B do item 10 do Grupo I. Já no lado oposto, podendo funcionar como exemplos a seguir, temos os elementos dos itens 3 do Grupo II e 6 do Grupo III.

Além do aspeto anterior, este item requer, ainda, a mobilização de informação presente em dois textos de apoio diferentes.

c) item 16 - existe um desajustamento entre o que é solicitado no item e o que é requerido nos elementos da resposta, nomeadamente nos seus elementos A e B.

d) A qualidade gráfica da Figura 3 não acompanhou o nível da qualidade global dos itens a ela associados.

e) item 20 - apesar de este item ter uma construção exemplar, obriga o aluno a um raciocínio de nível muito elevado, cuja concretização completa implica que o aluno avalie de forma correta e precisa os dados fornecidos no 2.º parágrafo do texto de apoio.

  • Grupo II

a) item 3 - realçamos o facto de a formulação do item requerer que o aluno "Preveja e explique..." de forma clara, algo que não tinha acontecido na 1ª fase. No caso presente, a formulação do item e os elementos dos critérios de avaliação estão convenientemente ajustados.

  • Grupo III

a) O texto de apoio do Grupo III é de 1980, ou seja, tem 42 anos. Em termos científicos, nesta área específica, é muito tempo, não refletindo as ideias mais atuais sobre as questões em causa.

Finalmente, reforçamos uma preocupação já anteriormente manifestada, que consiste no facto de, se por um lado a prova está construída de forma muito satisfatória, nomeadamente quanto ao seu grau de dificuldade, por outro lado os resultados finais obtidos pelos alunos poderão não refletir essa situação. Pensamos que esta situação se deve, também, à necessidade de se ajustarem os critérios específicos finais, nomeadamente através da aceitação de mais do que uma relação, acomodando alterações relativas a algumas das questões apontadas. Mais acrescentamos que, em vários itens, os elementos definidos nos critérios de avaliação contemplam várias referências obrigatórias no mesmo elemento, o que impede a concretização do item pela falta de uma dessas referências. Esta situação também se verificou na primeira fase, podendo ajudar a justificar os resultados finais obtidos pelos alunos nessa prova.

Coimbra, 27 de julho de 2022

A Direção da APPBG

  • 2022-07-28 17:58:00

Subsites

XI CONGRESSO APPBG

Risco Diferentes abordagens no quotidiano do professor de Biologia e Geologia

X CONGRESSO APPBG

Ciências da Terra e Ciências da Vida: Ensino, Aprendizagem e Avaliação - tendências e perspetivas

Jornadas de Refelexão - Outubro 2014

JORNADAS DE REFLEXÃO: "METAS, PROGRAMAS E EXAMES NACIONAIS DE BIOLOGIA E GEOLOGIA - TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS" 11 de OUTUBRO de 2014

IX CONGRESSO APPBG

SUSTENTABILIDADE NA TERRA: DESAFIOS À GEOLOGIA E À BIOLOGIA

Autonomia e Flexibilidade Curricular, Aprendizagens Essenciais e Perfil dos Alunos

encontro destinado aos docentes dos grupos de recrutamento 110 (1º CEB), 230 e 520 (Ciências Naturais | Biologia e Geologia). Formação privilegiada, objetivando um debate aprofundado em torno do Perfil dos Alunos e do Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular, assim como das Aprendizagens Essenciais nos diferentes ciclos de escolaridade